Time gay de vôlei se prepara para mundial em 2018

Angels Volley Brazil recebe ajuda de campeãs olímpicas

Publicado em 29/12/2017
time gay Angels Volley Brazil

O primeiro time gay brasileiro de vôlei, o Angels Volley Brazil, vem se preparando para disputar a 10º edição do mundial do Gay Games, em agosto de 2018. Mas, para participar, o time precisa levantar verba para levar os 21 jogadores à Europa.

Em busca de divulgação, o time tem obtido apoio de importantes fontes, como as campeãs olímpicas do vôlei Thaisa, Jaqueline e Carol Albuquerque, e outras jogadoras com passagem pela seleção, como Carol Gattaz. Todas gravaram vídeos no perfil do time pedindo incentivos ao projeto. 

 

"Hoje em dia, as mídias sociais são a principal plataforma para buscar apoio. Nós não queríamos palco, seguidores, e sim apresentar nossa ideia. Foi então que as atletas abraçaram, primeiro a Tifanny, depois a Thaisa entrou, super empolgada e empenhada, e começou um efeito dominó. Hoje estamos indo em empresas com uma estratégia de mercado, temos contato com uma agência de marketing esportivo que surgiu através das publicações. A gente queria, quer e vai conseguir jogar esse Mundial", afirma  Willy Montman, capitão do time, em entrevista ao site UOL. 

O Angels Volley começou em 2008, quando Rafael Martins decidiu reunir um grupo de amigos gays para jogar em uma quadra alugada em São Paulo. Era um bate-bola descontraído, só por diversão, mas que começou a tomar ar profissional com o apoio de Bruno Maia, o Todd Tomorrow, importante figura da comunidade LGBTQ. Além das publicações pedindo apoio na busca por patrocínios, o perfil do Angels tem conteúdo de caráter político e social que levanta a bandeira contra a homofobia e o preconceito.
 

Foto: Divulgação/Instagram