Rio 2016 pede ajuda ao COI para negociar dívida olímpica

Comitê Organizador não sabe como arcar com R$ 130 milhões devidos

Publicado em 06/07/2017
Rio 2016 pede ajuda ao COI para negociar dívida olímpica

Quase um ano se passou desde a realização dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, mas o comitê organizador ainda tenta encontrar uma forma de honrar as dívidas assumidas na preparação do evento. A situação chegou a um momento crítico, o que faz com que os organizadores recorram ao próprio Comitê Olímpico Internacional (COI) para ajudar na negociação para o pagamento de cerca de R$ 130 milhões.

De acordo com a agência Associated Press, o presidente do comitê organizador, Carlos Arthur Nuzman, vai se reunir com membros do COI em reunião na Suíça na próxima semana para tratar do assunto. Por contrato, a cidade-sede e o governo são obrigados a arcar com os custos da preparação e realização de uma Olimpíada, algo que não foi possível ainda para o Rio.

Enquanto que algumas das estruturas foram integradas ao dia-a-dia do carioca, outras acabaram por agravar o problema. A Vila Olímpica é citada como exemplo: pouco mais de 10% dos 3,6 mil apartamentos construídos para abrigar as delegações foram vendidos. Ao todo, o preço estimado para a realização dos Jogos de 2016 é de 13,1 bilhões.

O problema reside na falta de verba do comitê organizador para quitar as dívidas e na resistência governamental em assumir o compromisso. O problema aumenta diante da crise política e financeira que vive o país, com escândalos de corrupção e recessão da economia. O governo federal, por exemplo, já anunciou que não tem pendências financeiras para com os organizadores. Ou seja, já cumpriu a sua parte.

Em comunicado, o COI se colocou à disposição para usar sua influência e expertise no assunto, mas ressaltou que não tem informações confiáveis sobre a atual situação. A questão pode se complicar ao ponto de o comitê decretar falência, ensejar uma disputa jurídica e levar o COI a realizar os Jogos de 2020, no Japão, ainda com as dívidas da Olimpíadas de 2016 pendentes.